120 bpm

música eletrônica

 -

Escrito por Alex Kidd, blog acompanha o universo de música eletrônica. Do pop ao underground, o objetivo é selecionar o que acontece de mais empolgante no gênero.

Perfil completo

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade

Os 5 shows mais legais de 2015

Por Alex Kidd

De São Paulo a Nova York, o 120 BPM testemunhou shows incríveis em 2015. Eis os nossos cinco favoritos! Amanhã saiba quais foram as músicas e os discos mais legais do ano! 🙂

A dupla Birigitte se joga no Le Poisson Rouge.
A dupla Birigitte se joga no Le Poisson Rouge. (Foto: Alex Kidd)

5. Brigitte (Le Poisson Rouge) – 18/09

A dupla francesa debutou disco e show em Nova York, na casa moderninha Le Poisson Rouge, no West Village, e ficou impressionada com a recepção calorosa dos nova-iorquinos. No setlist, uma mistura de Serge Gainsbourg com Giorgio Moroder. Destaque para a postura ESFUZIANTE da vocalista Aurélie Saada e para o francês afiado da plateia, que sabia as músicas na ponta da língua.

 

Eduardo Magalhães -3
Alex Taylor apostou no look tropical. (Foto: Eduardo Magalhães/Divulgação)

4. Hot Chip (Sónar SP) – 28/11

Com vários instrumentos e uma banda completa no palco, os ingles do Hot Chip abriram com uma versão lenta de “Huarache Lights” e, após tocarem algumas músicas do último disco, “Why Make Sense”,  apelaram para os hits. “Over and Over”, “I Feel Better” e “Ready For the Floor” estavam com uma roupagem tropical. Para encerrar o show, o quinteto apostou em releituras de “Dancing in the Dark”, clássico do Bruce Springsteen e “All My Friends”, hino do LCD Sounsystem.

 

12309706_560586580759145_3162867267738954394_o
Um momento intimista entre Ed Simmons e Tom Rowland. (Foto: Eduardo Magalhães/Divulgação)

3. The Chemical Brothers (Sónar SP) – 28/11

No Sónar SP, o Chemical Brothers não perdoou e já abriu com “Hey Boy Hey Girl” para não deixar dúvida de que eles eram os donos da noite. Foi hit atrás de hit:  “Do it Again”, “Setting Sun”, “Galvanize”, “Star Guitar”…  A fusão de som e imagem era catártica e deixou o Espaço das Américas em transe.

 

MONTREAL, QC - SEPTEMBER 10:  (Exclusive Coverage) Madonna performs onstage during her "Rebel Heart" tour at Bell Centre on September 10, 2015 in Montreal, Canada.  (Photo by Kevin Mazur/Getty Images for Live Nation)
Madonna, nossa eterna “Unapologetic Bitch”. (Foto: Kevin Mazur/Getty Images)

2. Madonna (Madison Square Garden) – 17/09

Madonna ainda tem algo a dizer? Afinal, são mais de 30 anos de shows, imagens, personagens e polêmicas. No show da Rebel Heart Tour realizado em um Madison Square Garden lotado, em Nova York, a cantora mostrou que, no mínimo, ainda tem uma carta na manga: a nostalgia. E clássicos não faltaram. Das 29 músicas do show, 16 são hits consagrados. No show Madonna mostra que ganhou o direito de relaxar e vasculhar seu próprio baú. Se ela ainda tem algo a nos dizer, descobriu que a resposta está na sua própria história.

 

20151102_SB_RBMA_Paris_4791.f89762f8
O Floating Points contou com uma full band na sua apresentação. (Foto: Divulgação)

1. Floating Points (Red Bull Music Academy Paris) – 2/11

O imponente sintetizador ARP Odyssey no palco entregava que, em seu primeiro show ao vivo, o produtor canadense Floating Points não negaria a origem nerd de colecionador de discos clássicos da música eletrônica. Também conhecido como Dr. Sam Shepherd (Points é neurocirurgião nas horas vagas), ele escolheu a tradicional casa de jazz New Morning para apresentar as canções de “Elaenia”, seu elogiado disco de estreia. Quem testemunhou saiu de boca aberta.

Blogs da Folha