Brodinski traz batidas que encantaram Kanye West para São Paulo

Por Alex Kidd

cvincent_desailly_0

Mixando house, techno e hip hop, Brodinski não pretende ser conhecido como produtor de um estilo só. “Quero destruir as pontes que separam a música eletrônica” disse o francês ao 120 BPM.

“Não gosto de ser rotulado. Tento fazer uma boa mistura de tudo o que eu gosto no techno e na house para criar meu próprio som”, afirma.

Suas batidas híbridas impressionaram Kanye West que o convidou para produzir duas músicas do seu aclamado disco “Yeezus”. Brodinski assinou o hit “Black Skinhead”.

Ele desmistifica a fama de ególatra do rapper: “Kanye é um cara que gosta de aprender, ouvir as pessoas e principalmente colaborar!”.

O músico de 28 anos é herdeiro direto da tendência musical “french touch”, mood sonoro de onde saíram gigantes como Daft Punk, Air e Justice.

O novato não se sente intimidado. “É muita pressão, mas ao mesmo  tempo uma honra ser associado com estes artistas”.

Brodinski é uma das principais atrações do Sónar Club que ocorrerá no próximo sábado (28) no Espaço das Américas, em São Paulo.

Para sua apresentação ele promete canções de seu disco de estreia, ‘Brava’  e “MUITO techno.”

Pedimos para Brodinski selecionar 5 discos essenciais. Eis a lista:

1. “Pretty Hate Machine” – Nine Inch Nails


2. “Minimal Nation” – Robert Hood

3. “Barter 6” – Young Thug

4. “Doggystyle”- Snoop Doogy

5. “Lethal Injection” – Ice Cube